sábado, dezembro 13, 2008

Desafinando II

Desculpa-me
Por meu verso sujo,
Minhas palavras se embriagaram
Nesta madrugada.
Todos os acentos
Deslizaram do papel
E só restou o rabisco.
Rabisco meu
Sem pausa ou interrogações
Que transpassa a lente dos seus óculos
A onda dos seus cachos
Rabisco meu
Falho e sujo
Que sobra nesse papel amassado
Embrulhando o que resta de sóbrio
No meu estranho jeito
De te dizer que és como um baixo
Preenchendo em som grave
Os vazios da minha música
Mal tocada.

3 comentários:

Beatrice Jasmin Noire disse...

Desculpa não comentar.

Mas minhas palavras
bêbadas

ouvem a afinação
da tua lira

aguardam a cada silêncio
do teu contratempo.

Artur Finizola disse...

fazia tempo q nao recebia visitas tuas... nem noticias... por onde andas? o que fazes desse teatro que outrora se chamava vida?

Estêvão dos Anjos disse...

ah, queria tirar uma onda mas no msn eu faço :p

n sei se é pq eu to sem paciencia para ler hj ( de novo) mas eu n gostei muito n desse :S