quinta-feira, setembro 17, 2009

nova-mente

Hoje mais do que ontem e menos que amanhã quis-me por perto, quis ser o mar ,o céu, meu asfalto, a selva dos desabrigados, a galáxia dos desalojados, o planeta dos amados.

Quis querer-me ser, quis querer-me
Quis querer-me notar
desde dos fios desgrenhados
dos dedos dos pés em degrau
dos traços nunca vistos
dos traços já desbotados.

Quis-me e por querer-me
quis-me por inteiro.

Desfiz
Refiz Me.

com giz
riz.
por um triz
Desfiz-me
e ao final
refiz-me novamente

4 comentários:

leila saads disse...

A literatura que buscou afastar acompanhou teu dia todo, mas não veio dos livros... Delícia descobrir-se poema apenas.

Beijos!

lapis nos olhos disse...

quase...
mas nao importa
nao vejo a hora
de ser feito

PedroHoka disse...

:~

donda.albuquerque disse...

equivale ao que passo nesse exato segundo